02

Estudo recente da PwC mostra que o número de incidentes reportados nas empresas de Telecomunicações ao redor do mundo aumentou 45% em 2015, em relação ao ano anterior. Segundo análise da instituição, as “teles enfrentam um ambiente de rápida evolução com novas oportunidades da IoT, serviços digitais, demanda de capacidade e estrutura de preços incerta”. Agora, faltando exatos 93 dias para o início dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, as Telcos vivem um momento de apreensão, já que são grandes as possibilidades de estarem no foco dos ataques cibernéticos durante o evento esportivo, principalmente, voltados para negação de serviço.

Fornecedoras e patrocinadoras oficiais na categoria de Serviços de Telecomunicações dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, a Embratel e a Claro estão se preparando para a ocasião desde 2011. Segundo Mário Rachid, diretor de Soluções de TI da Embratel, todos os requisitos técnicos exigidos pelos organizadores foram cumpridos. “Demos uma atenção especial para a proteção digital da infraestrutura de TIC, empregando as tecnologias mais avançadas disponíveis no mercado”, ressalta.

Na opinião de Rachid, não há dúvidas que o evento irá atrair atenção de cibercriminosos. “O planeta estará voltado para os Jogos. O Brasil será uma vitrine de grande exposição que incitará grupos de hackers a demonstrar seu arsenal e poderio de ataque cibernético”, alerta. No entanto, ele pontua que a Embratel está preparada para isso.

Ataques de negação de serviço

Atenta ao cenário que se desenha na área de segurança de dados, a Embratel espera um aumento dos ataques distribuídos de negação de serviços, conhecidos como DDoS. O foco da empresa é a atuação dentro da visão da inteligência preventiva de segurança, ou seja, antecipar-se às ações.

Na visão de Rachid, não basta apenas a adoção de ferramentas e dispositivos para barrar ou impedir acessos indevidos. “É muito importante a conscientização do usuário, pois falhas decorrem do fato de os colaboradores não observarem aspectos básicos da política de segurança da empresa”, afirma, e acrescenta que a infraestrutura da Embratel contempla sistemas de monitoramento em todo o backbone, permitindo integração de serviços Anti-DDoS, o que detecta ataques antes que eles comprometam a rede.

FONTE: Risk Report